massacre na praia

"Tínhamos três operações para a Tunísia, uma mais próxima da zona acidentada, que foi imediatamente cancelada e reembolsados todos os agentes de viagens, e existe uma em voo regular da Tunisair para Tunis e outra operação fretada para Djerba, com saídas de Lisboa e Porto”, disse o presidente da APAVT, à margem do almoço comemorativo do 65.º aniversário da associação, em Lisboa.

“Quer a operação da Tunisair quer a de Djerba mantém-se, até porque não têm relação - para além do nome do país. Estão em situações geográficas e em situações completamente diferentes e, portanto, os operadores não viram razão para cancelar e não há razão legal para se cancelar sem reembolsos. Desse ponto de vista é 'business as usual'", acrescentou.


"Estamos na fase em que o mercado reagiu violentamente, não é novo e não era inesperado, esperemos chegar rapidamente a um momento mais normalizado. Se nada acontecer, julgo que ainda haverá condições para fazer as operações", sublinhou o responsável.