"Depois de um primeiro semestre de relançamento, prevê-se que o crescimento anual se suavize no segundo semestre, até aos 1,2 milhões de barris por dia, uma desaceleração em grande parte atribuída a uma deterioração projetada pelos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económica), à perda do impulso resultante dos baixos preços e à dissipação da recuperação pós-recessão", afirma a AIE no relatório mensal, divulgado esta quinta-feira.