A agência de notação financeira Fitch manteve hoje a classificação de crédito de Portugal no nível BB+ com perspetiva estável, mas avisou que a pressão sobre o setor financeiro pode influenciar negativamente a evolução do ‘rating’.

Além das pressões sobre a banca, que poderão exigir maior apoio financeiro por parte do Estado, a Fitch aponta ainda outros fatores que podem ter impactos negativos sobre a classificação de crédito como as perspetivas de crescimento económico mais fraco ou se o Governo falhar na redução do rácio da dívida em relação ao PIB e em relação aos desequilíbrios externos.

Na última revisão da dívida pública portuguesa, em março, a Fitch baixou a perspetiva de positiva para estável, mas manteve o ‘rating’ em BB+.

Entre os fatores que podem resultar numa evolução positiva do ‘rating’ da dívida pública portuguesa, a Fitch destaca a melhoria na execução orçamental consistente com uma tendência de descida do peso da dívida e a melhoria das perspetivas de crescimento a médio prazo.

A Fitch continua a apontar riscos para a meta de 2,2% do défice em 2016, nomeadamente devido às incertezas quanto ao impacto das medidas que vão ser implementadas e o crescimento económico fraco, e prevê que o défice atinja os 2,7%, acima dos 2,5% previstos por Bruxelas.

“Apesar das potenciais pressões políticas para aliviar a consolidação no médio prazo, continuamos a prever uma redução modesta do défice em 2017-18”, o que vai contribuir para reduzir a dívida pública e corresponder às metas impostas por Bruxelas, sublinha a agência de ‘rating’.

O peso da dívida pública sobre o Produto Interno Bruto (PIB) deve cair para 122% até 2020, mas existem igualmente riscos, devido à possibilidade de ser necessário injetar mais capital no banco estatal, Caixa Geral de Depósitos (CGD).

As instituições financeiras continuam a ressentir-se da falta de qualidade dos seus ativos, afetados pela exposição ao fraco crédito hipotecário e aumento dos créditos de cobrança duvidosa, sobretudo na carteira empresarial.

“Isto continua a ser um entrave à rentabilidade e coloca pressão sobre a posição de capital de algumas instituições como a CGD Esta continua a ser um empecilho para a rentabilidade e colocou pressão sobre a posição de capital de algumas instituições como a CGD. As autoridades pretendem concluir a reestruturação do sistema em meados de 2017 (incluindo a venda de Novo Banco), mas pode haver atrasos neste calendário”, sublinha a Fitch.

A agência de ‘rating’ salienta ainda que o crescimento económico continua a “desapontar”, devido ao abrandamento do investimento e um desempenho mais fraco das exportações, e espera agora um avanço de apenas 1,2%, abaixo dos 1,6% das previsões anteriores.

A balança comercial piorou no primeiro semestre de 2016, refletindo a quebra da procura em mercados não-comunitários como Angola, mas o impacto sobre as contas externas tem sido limitado já que as receitas do turismo continuam a aumentar e as despesas com juros estão a cair.

Na última revisão da dívida pública portuguesa, em março, a Fitch baixou a perspetiva de positiva para estável, mas manteve o ‘rating’ em BB+.