O Governo concluiu a reforma do setor das águas, que passa por um forte emagrecimento do grupo Águas de Portugal.

O ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva afirmou esta quinta-feira, no final do Conselho de Ministros, que haverá uma redução de dois terços dos órgãos sociais e que as 19 empresas atuais vão ser agregadas em cinco entidades.
O objetivo é conseguir chegar a uma tarifa única entre o litoral e o interior.

 Os cidadãos do interior norte verão reduzida a sua tarifa mensal em três euros, de imediato, e os do litoral norte terão um agravamento gradual ao longo destes cinco anos de trinta cêntimos anuais.

Os cortes no grupo Águas de Portugal vai permitir uma poupança total de 2700 milhões de euros, já que haverá «uma redução de dois terços dos órgãos sociais», passando o número de administradores de 70 para 20 e o de directores de 300 para 150.

Esta reforma elimina ainda uma norma que vigorava há vinte anos sobre os caudais mínimos, que de acordo com o ministro do ambiente obrigava os municípios a contratualizar consumo de água de que não necessitavam.

Esta noite, a partir das 22:00, Jorge Moreira da Silva é o convidado do programa  «Política Mesmo», na TVI24.