Os acionistas da PT SGPS votaram sim ao adiamento por 10 dias da assembleia geral  que serve para votar a venda da PT Portugal à Altice. A proposta, que ganhou com 90% dos votos, adia a reunião para 22 de janeiro.

Menezes Cordeiro, presidente da mesa, sublinhou aos jornalistas que ainda não se sabe que a próxima AG vai ter novos pontos na ordem de trabalhos, terá de ser analisado juridicamente essa possibilidade. Recorde-se que o ponto único desta reunião magna era votar o negócio entre a PT Portugal e a Altice.

Os trabalhadores da PT Portugal consideraram o adiamento da assembleia-geral da Portugal Telecom SGPS uma «meia vitória», que anima a hipótese da fusão com a Oi poder ser anulada.

A reunião magna começou com 50% do capital representado e, minutos depois, a mesa suspendeu-a por cinco minutos, para analisar propostas de adiamento entregues por acionistas de referência, nomeadamente o Novo Banco (o maior acionistas), a Telemar (oi), Visabeira e Controlinveste. A Ongoing decidiu não assinar.

Também a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários considerou que esta assembleia geral magna deveria ser adiada.

O ponto único da AG era votar o negócio entre a PT Portugal e a Altice, mas desde a semana passada que se falava de um adiamento da reunião. Já esta segunda-feira O conselho de administração da empresa afirmou compreender que os acionistas  «possam vir a considerar mais adequado suspender a sessão».  

Na sexta-feira, o Conselho de Administração da PT SGPS esteve reunido cerca de seis horas, tendo suspendido o encontro para durante o fim de semana decorrerem novos contactos entre este órgão, a CMVM e o presidente da mesa da assembleia-geral, com o objetivo de encontrar um consenso sobre a sua realização.