Três dos bancos portugueses credores da Acuinova-Mira (Millennium BCP, Caixa Geral de Depósitos e Novo Banco), venderam a totalidade das ações que detinham na empresa portuguesa à Ondas e Versos, segundo anunciou o grupo Nueva Pescanova.

A Acuinova, até agora uma empresa do grupo Nueva Pescanova, cuja atividade é a gestão de uma unidade de aquicultura para a produção de pregado situada em Mira, tinha apresentado em janeiro um pedido às autoridades portuguesas para um Processo Especial de Revitalização de Empresas (PER).

O objetivo do PER era chegar a um acordo de refinanciamento com os seus credores para reduzir a carga financeira e reconduzir o projeto", lê-se no comunicado divulgado pelo grupo.

A Nueva Pescanova garante que, "desde o primeiro momento, realizou "todos os esforços para defender os interesses da empresa e dos seus 127 trabalhadores, tentando salvar Mira e manter a sua atividade".

A cessão da Acuinova-Mira não tem um impacto relevante para o Grupo Nueva Pescanova, já que este era um ativo disponível para a venda e não figurava nas contas consolidadas do grupo", salienta o comunicado.

Dívidas de 167 milhões

De acordo com o PER, publicado no portal Citius, numa lista de 124 credores, a dívida do Novo Banco, BPI, BCP e CGD ascendia aos 125 milhões de euros, de um total de dívidas reconhecidas de 167 milhões de euros.

O total do montante em dívida ao Novo Banco ascende aos 31,6 milhões de euros, que a instituição emprestou à Acuinova no âmbito do Projeto de Interesse Nacional (PIN) promovido durante o Governo de José Sócrates.

Segue-se a Caixa Geral de Depósitos (CGD), com uma dívida de 27,9 milhões de euros, a que acresce uma outra de 3,5 milhões de euros referente à Caixa Banco de Investimento.

O BCP, por sua vez, surge no processo com uma dívida total reconhecida de 31,2 milhões de euros, e o BPI com um montante de 31,1 milhões de euros.

Atualmente, a Acuinova tem 127 trabalhadores e produz entre 1.900 e 2.300 toneladas de pregado por ano, representando 20% a 25% da produção aquícola nacional e continuando a ser um dos principais operadores do mercado, segundo dados da empresa.

Segundo informação disponível na internet, a Ondas e Versos Lda, com sede em Campo de Ourique, em Lisboa, foi criada em fevereiro passado, com um capital social de 500 euros, e tem como atividade a prestação de serviços de consultoria, gestão, planeamento estratégico e investimentos em sociedades comerciais.