O Governo dos Açores anunciou hoje a adjudicação da obra de construção do Terminal de Cargas da Aerogare Civil das Lajes por cerca de 4,6 milhões de euros e com um prazo de execução de 540 dias.

“Este investimento vai permitir melhorar e reforçar o fluxo e o movimento de mercadorias no aeroporto das Lajes, ilha Terceira, estando prevista a construção de dois edifícios: um destinado ao terminal e outro que albergará os transitários e armazéns independentes”, adianta a secretaria regional dos Transportes e Obras Públicas em nota enviada hoje à imprensa.

No primeiro edifício ficarão instaladas “as áreas de triagem e depósito temporário de mercadorias da exportação, atendimento geral ao público, triagem e depósito temporário de mercadorias da importação e entrega e ainda diversos serviços, como a Alfândega, a GNR e veterinário”.

Já o segundo edifício terá “três espaços independentes de triagem e depósito temporário de mercadorias para as operações afetas a outros tantos transitários”.

A infraestrutura ficará localizada a cerca de 400 metros da aerogare, tendo acesso direto à Estrada Regional das Lajes.

Com uma área bruta de construção de “2.534 metros quadrados”, o terminal de cargas disponibilizará um parque de estacionamento “com capacidade para cerca de quatro dezenas de viaturas”.

A construção de um novo terminal de cargas nas Lajes é prometida desde 2007 pelo Governo Regional, mas o processo carecia de autorização do Ministério da Defesa.

Em maio de 2018, foi publicado um despacho conjunto dos secretários de Estado do Tesouro e da Defesa que desafetava uma parcela de terreno do domínio público militar para o domínio público privado do Estado, que foi alienada ao Governo Regional dos Açores para a construção do terminal de cargas, por uma contrapartida financeira de 148 mil euros.

O concurso público para a construção do terminal já tinha sido lançado em março de 2016.

O novo terminal de carga tem sido uma das principais reivindicações da Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo e foi uma das obras em atraso que motivaram uma pronúncia, por iniciativa própria, da Assembleia Municipal de Angra do Heroísmo, aprovada por unanimidade, em maio deste ano.