A presidente da Associação dos Cegos e Ambliopes de Portugal alertou hoje que os problemas que normalmente afetam a sociedade têm especial incidência em quem tem uma deficiência, lembrando que perto de 45% das pessoas invisuais estão desempregadas.

O alerta surge por ocasião dos 25 anos da Associação dos Cegos e Ambliopes de Portugal (ACAPO), que se assinalam a 20 de outubro, com a presidente da associação a aproveitar para chamar a atenção para as questões que mais afetam quem tem deficiência visual.

Na opinião de Ana Sofia Antunes, qualquer problema que normalmente afete a sociedade tem sempre uma particular incidência nas pessoas com deficiência visual.

«Falamos, claro, das carências ao nível do emprego, das lacunas ao nível do apoio educacional, seja ele na escolaridade regular como depois na escolaridade superior, as questões de acessibilidade na via pública e aos meios de informação», destacou a dirigente.

Apontou um estudo feito recentemente pela ACAPO junto dos seus associados e utentes, que revelou que a taxa de desemprego entre estas pessoas atingirá os 45%, quando está nos 14% no total da população.

Para a presidente da ACAPO, estes «são números muito significativos», que mostram como esta população sente de uma forma «muito mais intensa» as dificuldades gerais.

Apontou, por outro lado, que um dos problemas que neste momento merece a dedicação da associação tem que ver com os custos acrescidos que advêm da deficiência e que, na opinião de Ana Sofia Antunes, não têm sido devidamente contemplados, nomeadamente ao nível dos transportes.

«Não nos podemos esquecer que as pessoas com deficiência visual não dispõem de transporte próprio, deslocam-se permanentemente em transporte público e, onde ele não existe, contratando transporte privado», alertou.

Acrescentou que as pessoas com deficiência visual têm uma série de necessidades ao nível desses apoios, mas «não recebem qualquer tipo de apoio por parte do Estado».

«Tendo nós uma população tão ampla, vivendo de pensões e de subsídios, [devemos] efetivamente pugnar por uma maior justiça desses valores, que são em muitas situações absolutamente precários e não permitem às pessoas terem níveis de vida com o mínimo de dignidade», denunciou.