A Mota-Engil anunciou esta segunda-feira que assegurou a adjudicação de uma obra no Brasil de cerca de 165 milhões de euros que contribuiu para adicionar à sua carteira na América Latina cerca de 400 milhões de euros de novos contratos.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Mota-Engil adiantou que «cumprindo a estratégia de expansão internacional definida no Plano Ambição 2.0», a construtora informa que «assegurou a adjudicação de uma obra no Brasil, em consórcio com a sua participada ECB e com a Engesur, no valor de cerca de 530 milhões de reais (aproximadamente 164 milhões de euros)».

O projeto consiste na «adequação da capacidade da rodovia BR-381/MG», adiantou.

Além disso, a Mota-Engil Latin América «assegurou a adjudicação de diversos projetos no valor total de 300 milhões de dólares (aproximadamente 231 milhões de euros)», dos quais cerca de 65 milhões de euros são no México e 134 milhões de euros no Peru.

No mercado brasileiro, além da intervenção na rodovia acima citada, o grupo conta com mais 26 milhões de dólares (cerca de 20 milhões de euros), através da participada ECB.

No mercado colombiano, o projeto ronda os 12 milhões de euros e assenta no «primeiro contrato de infraestruturas rodoviárias» na Colômbia.

«Desta forma, o grupo adicionou à sua carteira de encomendas cerca de 400 milhões de euros de novos projetos na região, assegurando a sustentabilidade de uma expansão internacional suportada no balanceamento dos negócios nas três regiões: Europa, África e América Latina», adiantou a Mota-Engil no comunicado.

A empresa destaca ainda «a recente adjudicação do primeiro contrato para a recolha de resíduos na cidade de Los Cabos, no México, contribuindo para a diversificação dos negócios do Grupo na América Latina».

As ações da Mota-Engil, que apresenta resultados do primeiro semestre a 29 de agosto, encerraram hoje, na bolsa de Lisboa, a recuar 1,84% para 2,67 euros, segundo a Lusa.

O presidente executivo da Mota-Engil considerou que a atuação multinacional do grupo permite reforçar a sua sustentabilidade e a criação de valor a nível global.

Segundo Gonçalo Moura Martins, presidente executivo da construtora, «a Mota-Engil tem apostado de forma significativa na América Latina, sendo as adjudicações anunciadas o resultado desse trabalho desenvolvido pelos responsáveis da Mota-Engil na região».

«A atuação claramente multinacional do grupo e cada vez mais equilibrada entre regiões» permite, «no seu conjunto, reforçar a sustentabilidade e a criação de valor a nível global na organização», acrescentou, em comunicado.