O presidente da AICEP, Pedro Reis, considerou esta sexta-feira que a articulação do vice-primeiro-ministro com os ministros da Economia e dos Negócios Estrangeiros, na tutela da agência de comércio externo português, é «uma troika extremamente saudável».

«A delegação do primeiro-ministro no vice-primeiro-ministro, que, é preciso recordar, tem toda a programação e coordenação da política económica, e, a partir daí, uma tutela partilhada, como se tem apontado, entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Ministério da Economia é uma troika extremamente saudável para o funcionamento da AICEP», disse Pedro Reis.

O presidente da Agência para o Investimento e Comércio de Portugal (AICEP) encontra-se m Maputo, integrado na comitiva do ministro da Economia, António Pires de Lima, que realiza uma visita oficial de dois dias à capital moçambicana.

Na quinta-feira, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, delegou no vice-primeiro-ministro, Paulo Portas a tutela da Agência para o Investimento e Comércio de Portugal (AICEP).

Esta situação, disse Pedro Reis, «assegura os aspetos positivos naturais, da relação com o Ministério da Economia, em tudo o que tem a ver com investimentos, e assegura a continuação de uma aposta feita por este governo e que foi um sucesso, que é a da diplomacia económica», através da tutela do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

«E a coordenação global pelo vice-primeiro-ministro, que tem a responsabilidade da política económica, eu diria que é o fecho perfeito nesta tutela partilhada da Economia e do MNE», disse Pedro Reis.