A taxa de desemprego de fevereiro de 2018 situou-se em 7,6%, menos 0,3 pontos percentuais (p.p.) que no mês anterior, menos 0,5 p.p. em relação a três meses antes e menos 2,3 p.p. face ao mesmo mês de 2017. Aquele valor representa uma revisão de menos 0,2 p.p. face à estimativa provisória divulgada há um mês e ter-se-á de recuar até abril de 2004 para encontrar uma taxa inferior a esta.

A população desempregada de fevereiro foi estimada em 395,1 mil pessoas, tendo diminuído 3,2% em relação ao mês precedente (menos 13,0 mil pessoas), enquanto a população empregada foi estimada em 4 783,4 mil pessoas, tendo aumentado 0,1% (mais 4,5 mil pessoas) face ao mês anterior.

A estimativa provisória da taxa de desemprego de março de 2018 situou-se em 7,4%. Neste mês, a estimativa da população desempregada terá sido de 381,2 mil pessoas e a da população empregada de 4 791,8 mil pessoas.

O ministro do Trabalho considerou que esta descida do desemprego em fevereiro e em março reflete o “dinamismo muito positivo” do mercado de trabalho, destacando que, além desta tendência, “o emprego continua a crescer mais”.

“O número de pessoas desempregadas baixou os 400 mil pela primeira vez em quase 14 anos, o que é um resultado muito importante, mas, mais do que a diminuição do número de desempregados, importa referir que aquilo que é mais importante, é que o emprego continua a crescer mais do que a diminuição do desemprego”, disse o ministro do Trabalho, da Solidariedade e da Segurança Social, Vieira da Silva, em declarações à agência Lusa.