O desemprego continua em queda e terá tocado a taxa de 7,8% em dezembro de 2017. Segundo dados revelados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), "neste mês, a estimativa provisória da população desempregada foi de 401,5 mil pessoas e a da população empregada foi de 4.776,0 mil pessoas."

Já no que toca à taxa de desemprego de novembro de 2017, também conhecida esta terça-feira, situou-se em 8,1%, menos 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que no mês anterior e menos 0,6 p.p. em relação a três meses antes.

Aquele valor representa uma revisão de menos 0,1 p.p. face à estimativa provisória divulgada há um mês e ter-se-á de recuar até novembro de 2004 para encontrar uma taxa tão baixa quanto esta", acrescenta o INE.

A população desempregada de novembro foi estimada em 417,2 mil pessoas, tendo diminuído 3,9% em relação ao mês precedente (menos 17,0 mil pessoas), enquanto a população empregada foi estimada em 4.752,4 mil pessoas, tendo aumentado 0,4% (mais 19,2 mil pessoas) face ao mês anterior.

Por seu lado, a taxa de empregosituou-se em 61,4%, tendo aumentado 0,3 p.p em relação ao mês anterior e 0,7 p.p. face a três meses antes. A taxa de emprego dos homens (65,4%) excedeu a das mulheres (57,7%) em 7,7 p.p.. Em relação ao mês anterior, a primeira aumentou 0,2 p.p. e a segunda 0,4 p.p..

Redução do desemprego é "passo positivo" mas é preciso "baixar mais"

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje que a revisão em baixa da taxa de desemprego registada em novembro é "mais um passo positivo" e reforça a necessidade de "continuar as boas políticas" para "baixar mais".

É mais um passo positivo e isso significa que temos de dar continuidade às boas políticas que temos seguido e que nos têm permitido ter bom crescimento económico, mais investimento e mais exportações e uma forte redução do desemprego", disse.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas à margem de uma visita ao restaurante de cozinha síria Mezze, no mercado de Arroios, Lisboa, onde almoçou hoje a convite da associação fundadora do projeto, Associação Pão a Pão, para a integração de refugiados do Médio Oriente.