Os casos de sobreendividamento, os efeitos da austeridade e as dívidas para cobrança executiva que acabam por entrar nos tribunais levaram, em 2013, à penhora de mais de 181 mil reformas, um aumento de 24% em relação ao ano anterior, escreve o Diário Económico.

Os credores conseguiram recuperar mais de 45 milhões de euros, numa média mensal de 15.100 reformas penhoradas, segundo dados da Câmara dos Solicitadores.

A crise e os cortes nas reformas são razões adicionais que acabam nos tribunais e o multiplicar de processos de penhoras que recaem sobre os pensionistas. Os processos são por dívidas relativas a serviços essenciais como água, luz, gás e telecomunicações u processos referentes a dívidas a fornecedores, fianças e arrendamentos.

Entre 2011 e final de março de 2014 os tribunais executaram 509,421 penhoras de reformas, num valor total de 129 milhões de euros. Um montante recuperado pelos tribunais através da penhora de 314.513 pensões da Segurança Social, que garantiram 65 milhões de euros.