A semana que vem deve ser marcada por uma subida mais acentuada do preço dos combustíveis. Se a tendência desta sexta-feira se mantiver, tanto a gasolina, como o gasóleo, vão aumentar cerca de dois cêntimos por litro na madrugada de segunda-feira, segundo apurou a TVI. Por isso, se precisa, vá atestar.

O preço dos combustíveis continua a sentir-se do aumento da matéria-prima nos mercados internacionais.

A subida de preços pode estar relacionada com a subida da cotação do contrato do Brent [Brent - petróleo do Mar do Norte, negociado em Londres e que serve de referência às importações portuguesas] que esta semana atingiu cotações próximas dos 75,50 dólares o que não se verificava desde setembro de 2014", disse à TVI24, o diretor da banca online do Banco Carregosa, João Queiroz.

Tal como se pode ver no gráfico, o Brent continua, esta sexta-feira, a negociar acima dos 74 dólares por barril. Mas o analista do Carregosa acredita que não deve ir, para já, muito além disto: "Atendendo, sobretudo, ao facto de estarmos em backwardation (próximos vencimentos cotam abaixo do atual, ou seja, jun./18 = $74.43 > jul/18  = $73.61 > Ago/18  = $73.05 > set/18 = $72.50 > …. > dez/18  = $70.97. Quer isto dizer que é mais barato comprar contratos no futuro do que comprar agora), os investidores não estimam que o preço desta matéria prima possa ser sensível a maiores subidas. A desvalorização do euro dos 1.2400 para os 1.2075 também pode ter algum impacto porque estamos a importar mais caro."

 

Esta é uma tendência que, na opinião de alguns analistas, foi agudizada pelo aumento da tensão crescente na Síria. Uma pressão que pode ser amenizada com a cimeira história entre as duas Coreias, que está a decorrer.

"A situação no médio oriente e a Síria tendem a ter mais impacto nos preços, mas aqui não se perspetiva um aumento do risco, pelo contrário poderemos já ter passado a fase mais agressiva ou de maior risco", refere ainda João Queiroz.

Acrescentando que "iremos entrar na designada “driving season” com aumento de tráfego durante o Verão dos EUA mas atualmente os norte-americanos conseguem produzir para colmatar e ajustar potenciais aumentos de procura dos combustíveis."

Seja como for há seis semanas que os combustíveis aumentam em Portugal. É que apesar do impacto da variação da matéria-prima não ser imediato, o fato é que o petróleo é uma das componentes que mais pesa na constituição do preço de referência – aquele que serve de base ao que os fornecedores cobram ao consumidor no posto de abastecimento.