A intervenção do Estado no Banif gerou restrições financeiras a antigos e atuais administradores, como Luís Amado, Jorge Tomé e António Varela, segundo o jornal Sol.
 
As contas destas e de outras pessoas ligadas ao Banif vão manter-se congeladas enquanto decorrer a investigação que procura determinar os responsáveis pela situação financeira a que a instituição chegou.
 
De acordo com as atas do Conselho de Administração a que o Sol teve acesso, as contas dos gestores só vão ser desbloqueadas caso fique "demonstrado que as referidas pessoas, entidades ou membros dos órgãos de administração não estiveram, por ação ou omissão na origem das dificuldades financeiras do Banif".

No fundo, o objetivo é descobrir se os administradores ou ex-administradores contribuíram para o colapso do banco.