Mais de 70 por cento dos comboios não circularam esta segunda-feira na sequência da greve dos revisores e trabalhadores das bilheteiras, convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante, disse à Lusa fonte oficial da CP.

De acordo com o último balanço da CP – Comboios de Portugal, efetuado às 22:00, apenas 402 dos 1.397 comboios programados circularam hoje.

Os números da empresa coincidem com os do sindicato que convocou o protesto que terminará à meia-noite.

O sindicato alerta, porém, que, se não houver alteração às medidas do Orçamento do Estado, este protesto não será «o fim», mas «o princípio».

Em declarações à Lusa, Luís Bravo, dirigente do Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante, disse que, «se for caso disso», serão adotadas «futuras ações de luta» numa reunião agendada para 9 de dezembro.

«Não vamos ficar parados, pelo quinto ano consecutivo, com a progressão nas carreiras, as diuturnidades, tudo congelado», frisa.

«Atingimos o nosso limite», avisa, recordando que o Orçamento do Estado admite «18 exceções» para outras entidades públicas.

«A novidade, em 2015, é que há discriminação negativa, além dos privados, também entre os públicos. Então já somos filhos de terceira ou quarta mãe e isso não podemos aceitar de maneira nenhuma», vincou.