Os ministros das Finanças da zona euro ainda não abordarão a saída de Portugal do programa de assistência na reunião da próxima segunda-feira, assistindo, para já, com satisfação às reações dos mercados, indicou hoje um alto responsável do Eurogrupo.

De acordo com o responsável do Eurogrupo, o sentimento do mercado relativamente a Portugal «tem melhorado não só semana após semana, mas também dia após dia», e constitui «uma prova de que a estratégia do Governo português está a ser validada pelos investidores internacionais», o que «é bom», a alguns meses da data prevista para a conclusão do programa de ajustamento, sobre a qual há ainda tempo para definir uma estratégia.

Perspetivando o encontro da próxima segunda-feira em Bruxelas, a primeira reunião do Eurogrupo em 2014, o mesmo responsável indicou que, relativamente a Portugal, haverá uma análise das principais conclusões da revisão do programa concluída em dezembro, segundo a qual este continua «no bom caminho», e uma exposição da ministra

Maria Luís Albuquerque sobre as medidas compensatórias encontradas pelo Governo como resposta ao chumbo do Tribunal Constitucional à convergência de pensões.

A aprovação formal da décima revisão do programa, acrescentou, só terá lugar na reunião de fevereiro do Eurogrupo ¿ «não porque haja questões em aberto», sublinhou, mas porque só então a documentação final estará pronta -, pelo que o próximo desembolso terá então lugar no final do próximo mês.

Questionado sobre o facto de a estratégia de saída do programa não ser para já discutida, apesar de constar como «assunto possível» no programa de trabalho provisório do Eurogrupo para o primeiro semestre de 2014, divulgado em dezembro passado, o responsável do fórum de ministros da zona euro explicou que tal era meramente indicativo, e significava somente que, «algures durante o primeiro semestre» a questão terá de ser discutida.

«Não haverá absolutamente nenhuma discussão agora em janeiro e creio que em fevereiro também é demasiado cedo para essa discussão. O sentimento de mercado relativamente a Portugal é muito, muito, muito positivo e, embora possamos sempre questionar o sentimento de mercado, acho que é uma prova de que a estratégia do Governo português está a ser validada pelos investidores internacionais, que há um ano se focavam muito mais na Irlanda e noutros países, mas não em Portugal. Isso mudou, e isso é bom», enfatizou.

Em termos gerais, o mesmo responsável disse esperar uma reunião curta e pacífica na segunda-feira, considerando que tal reflete o que muito mudou ao longo dos últimos meses, apontando que o encontro de segunda-feira ocorre já num contexto em que os países sob assistência já saíram ou estão a concluir os respetivos programas de assistência.