O financiamento das administrações públicas caiu para menos de metade do valor do mesmo período de 2016, devido aos reembolsos antecipados ao FMI. Os dados divulgados esta quarta-feira, pelo Banco de Portugal, apontam para um total de 1.400 milhões de euros entre janeiro e setembro,

Nos primeiros nove meses do ano, as administrações públicas pediram emprestado 400 milhões de euros a bancos e 3,8 mil milhões de euros a residentes.

Contudo, o valor de financiamento face ao exterior foi negativo em 2,8 mil milhões de euros, pelo que o financiamento das administrações públicas se fixou em 1.400 milhões de euros entre janeiro e setembro.

O banco central explicou que o financiamento negativo do Estado face ao exterior se deveu “essencialmente aos reembolsos antecipados de empréstimos do Fundo Monetário Internacional no montante de 5,3 mil milhões de euros”.

A este propósito, o Estado reviu ontem em baixa o valor que pretende devolver antecipadamente ao Fundo Monetário Internacional em 2018, em cerca de 400 milhões de euros. Prevê-se, agora, uma devolução de 1.000 milhões.