O Ministério Público instaurou um inquérito ao empresário José Guilherme depois da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) ao caso BES ter participado a sua recusa em depor no parlamento.

Em resposta à agência Lusa, a Procuradoria-Geral da República adiantou que «foi instaurado um inquérito» e que «este encontra-se em investigação no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa».

Em março, Fernando Negrão, presidente da CPI ao caso BES, entendeu enviar para o Ministério Público uma participação para aferir se a recusa de José Guilherme em ser ouvido no parlamento consubstancia um crime de desobediência.

A CPI pretendia ouvir o empresário, nomeadamente sobre a «prenda» de 14 milhões de euros que ofereceu ao então presidente do BES, Ricardo Salgado.

José Guilherme, que reside em Angola, tinha adiado a sua presença no parlamento, alegando razões profissionais e de saúde, mas, segundo a comunicação social, o empresário terá estado na Amadora a 07 de março.