O défice da balança comercial dos produtos agrícolas e agroalimentares diminuiu 465 milhões de euros, para -3,2 mil milhões de euros, em 2014 face a 2013, segundo as “Estatísticas Agrícolas” divulgadas esta terça-feira pelo INE.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), as importações de produtos da agricultura e agroalimentares caíram 4,3% no ano passado, para 6,9 mil milhões de euros, enquanto as exportações aumentaram 4,7%, totalizando 3,6 mil milhões de euros.

Em quase todos os grupos de produtos agrícolas e agroalimentares se verificaram diminuições no défice da balança comercial face a 2013, com especial destaque para as “frutas; cascas de citrinos; melões”, cuja redução foi de 126 milhões de euros.

Já o maior défice comercial registou-se nas transações de “carnes e miudezas, comestíveis” (-750 milhões de euros, mais 27 milhões de euros face a 2013), enquanto o maior excedente foi registado nas transações de “preparações de produtos hortícolas, de frutas e de outras partes de plantas” (+98 milhões de euros), apesar do decréscimo de sete milhões de euros face a 2013.

Os “cereais”, tradicionalmente detentores do maior défice comercial nos produtos agrícolas e agroalimentares em Portugal, passaram para a 2.ª posição (défice de 642 milhões de euros, menos 77 milhões de euros face a 2013).

No ano passado, Espanha manteve-se como o principal fornecedor de produtos agrícolas e agroalimentares a Portugal, representando 48,7% do valor total das importações em 2014, tendo reforçado o seu peso em 1,9 pontos percentuais.

Seguiram-se a França (peso de 9,8%), a Alemanha (5,4%) e os Países Baixos (4,9%).

Quanto aos principais clientes dos produtos nacionais, Espanha continuou também a ser o destino mais relevante (peso de 36,9% em 2014), seguindo-se Angola (11,8%), França (9,1%) e Brasil (6,3%).

Os dados de 2014 do INE apontam para um consumo médio total por cada residente em Portugal de 108 quilos de carne, 78 litros de leite, 43 quilos de produtos lácteos, 130 quilos de cereais, 16 quilos de arroz e 111 quilos de frutos.

Nesse ano Portugal produziu apenas 72,2% da quantidade de carne necessária para satisfazer as necessidades de consumo (74,1% em 2013), não tendo também sido autossuficiente em frutos (importou em média 26% do que consumiu entre 2011/2012 e 2013/2014).