As gerações mais novas quase não fazem crédito à habitação e essa deve ser a tendência dos próximos anos, noticia o Jornal de Notícias.

A mobilidade do mercado laboral explica parte destas mudanças de comportamento.

São já poucos aqueles que, com menos de 30 anos, decidem fazer um empréstimo para comprar casa, porque tanto podem trabalhar e Lisboa, como no Porto ou em Londres. Conclusões de um trabalho da Universidade do Minho sobre o financiamento da economia.

A queda da demografia também deve contribuir para a estagnação do mercado.

O montante dos empréstimos para a casa está a cair desde 2011 e deverá chegar a metade em 2025.

As novas gerações devem antes aplicar o dinheiro em ativos financeiros.