A TAP vai manter «integralmente», e nos horários normais, a operação durante os dois dias de greve convocados pelo Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA) para 24 e 31 de dezembro na Groundforce, antecipou fonte oficial da transportadora.

«Tendo em vista as indicações que temos da Groundforce, a TAP mantém integralmente a operação nos horários normais», disse à Lusa fonte oficial da TAP, quando questionada sobre eventuais impactos da greve sobre a transportadora aérea.

O responsável acrescentou ainda que a greve foi convocada por apenas um de vários sindicatos, fator que terá pesado na avaliação da situação pela Groundforce.

O SITAVA decidiu na quinta-feira manter a greve para os dias 24 e 31 de dezembro na Groundforce, depois de uma reunião com a administração da empresa.

«Não foi possível chegar a um entendimento [com a administração da empresa que presta serviços de assistência nos aeroportos] e a greve mantém-se», disse na quinta-feira Fernando Henriques, da direção do SITAVA.

O sindicato, que representa 840 trabalhadores da Groundforce, avançou para a greve em protesto contra a reorganização dos tempos de trabalho, «que resulta em horários de nove e 10 horas», segundo a estrutura sindical.