A Associação de Lesados da PT/Oi (ALOPE) vai avançar em tribunal, nos próximos meses, contra os bancos que, em Portugal, venderam obrigações e “falharam redondamente na prestação de informação”, nomeadamente quanto ao programa que permite receber dívida.

Em declarações hoje à agência Lusa, o presidente da ALOPE, Francisco Mateus, disse que aquela entidade “vai interpor ações judiciais sobre todos os intermediários [bancos e empresas a si associadas] que venderam obrigações e produtos financeiros complexos” da Oi e que “falharam redondamente na prestação da informação”.

Não é só ficarem lá com o dinheiro das pessoas e depois não informarem”, vincou.

A operadora brasileira Oi, na qual a portuguesa Pharol é acionista de referência, com 27%, pediu o adiamento da assembleia de credores para 23 de outubro, pedido que o tribunal do Rio de Janeiro aceitou.

A Oi esteve num processo de fusão com a PT, que nunca se concretizou, e entrou com um pedido de recuperação judicial em junho do ano passado, por não conseguir negociar a dívida.