O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, gosta da ideia de eventualmente canalizar metade do lucro do Banco Central Europeu (BCE) para a União Europeia.

Os lucros do BCE são recursos europeus e devem ser considerados como tal nestas discussões. Seguramente, o Conselho [Europeu] abordará no seu conjunto essa possibilidade, sendo eu favorável a considerar que esses são recursos europeus e devem estar à disposição da melhor forma do conjunto das nossas atuações”.

A posição de Mário Centeno resultou da questão do eurodeputado José Manuel Fernandes sobre uma eventual canalização de 50% do lucro do BCE para a UE, na Conferência Interparlamentar sobre Estabilidade, Coordenação Económica e Governação na União Europeia, que se realizou esta terça-feira no Parlamento Europeu, em Bruxelas.

O eurodeputado social-democrata, que é o coordenador do Partido Popular Europeu (PPE) na Comissão de Orçamentos do Parlamento Europeu, perguntou ao líder do Eurogrupo se era favorável a que o BCE canalizasse 8 mil milhões de euros anuais para a União Europeia.

A Comissão Europeia estima que metade do lucro do BCE, resultante da emissão de moeda, seja de 56 mil milhões de euros entre 2021 e 2027, o que equivale a 8 mil milhões anuais.

Para onde costuma ir essa receita? Atualmente é repartida pelos Estados-Membros em função da participação no BCE, com as verbas a serem canalizadas para os orçamentos nacionais através dos bancos centrais.