Os ministros das Finanças da zona do euro prepararam um esboço de um texto comum com a Grécia que, segundo afirmaram as autoridades de Atenas e da área do euro esta sexta-feira, pode formar a base para um acordo que estenda o pacote de resgate de Atenas.

Em cima da mesa está agora um texto de duas páginas proposto pelo presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que está a ser discutido pelos ministros do euro. Os detalhes poderão vir a ser discutidos nos próximos dias.

O documento que está em cima da mesa propõe estender o resgate grego por mais quatro meses, em vez dos seis meses inicialmente previstos, noticia a Reuters, que cita fontes gregas e outras fontes oficiais de países da zona euro.

As autoridades ressalvaram que ainda não há acordo formal na reunião do Eurogrupo, que inclui os 19 ministros das Finanças do bloco monetário.
 

Fontes gregas falam em acordo. Que pode ser apenas acordo suficiente para uma declaração conjunta. Extensão aceite hoje, confirmada depois?

— Pedro Moreira (@PedroMoreiraTVI) February 20, 2015

Segundo fontes gregas citadas pela AFP, o presidente do Banco Central Europeu (BCE) teve um papel essencial para se alcançar este pré-acordo. Líder do BCE desempenhou um papel crucial para o princípio de acordo. Mario Draghi disse aos ministros das Finanças da zona euro que a banca grega está à beira de entrar em colapso.

A reunião do Eurogrupo, inicialmente prevista para as 15:00 locais (14:00 de Lisboa), começou com várias horas de atraso (já perto das 19:00), na sequência de diversos adiamentos motivados por vários encontros que o presidente do fórum de ministros da zona euro, Jeroen Dijsselbloem, manteve com os principais 'atores' das negociações.

Dessas reuniões, nas quais participaram os ministros grego, Yanis Varoufakis, e alemão, Wolfgang Schäuble, resultou, segundo as mesmas fontes, uma proposta de declaração conjunta, que deverá merecer agora a aprovação dos 19 ministros do euro e das instituições.

Fontes do governo grego manifestaram-se esperançadas num acordo em breve.