O JP Morgan cortou o preço alvo da NOS para 7 euros, de 7,5 euros antes, refletindo os custos com conteúdos televisivos de futebol e alertando para a travagem brusca do Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization (EBITDA) quando a empresa de comunicações apresentar resultados do terceiro trimestre de 2016.

"O contexto de (subida de) preços apoia, mas a visibilidade de resultados é limitada. Somos cautelosos no curto prazo", disse a equipa do JP Morgan, citada pela Reuters.

"Damos as boas vindas ao ambiente construtivo de preços em Portugal, mas vemos riscos descendentes dos resultados, com exigentes expectativas do consenso", acrescentou o banco de investimento.

Referindo ainda que  uma porção significativa da subida dos preços é para absorver a inflação de conteúdos, e a expectativa é que a NOS dependa cada vez mais de um esforço do lado dos custos.

O JP Morgan prevê uma acentuada travagem da performance do EBITDA no terceiro trimestre de 2017. 

A Reuters refere ainda que esta recomendação de investimento foi distribuída aos clientes do JP Morgan a 18 de Outubro de 2016.

Já ontem, segundo o Negócios, o BPI tinha emitido uma nota em que anunciava ter baixado o preço-alvo dos títulos da NOS em trinta cêntimos, para 6,40 euros, mantendo a recomendação de "neutral".

Os títulos estão em queda desde a abertura da bolsa, a valeram 5,775 euros.