O investimento captado pelos vistos gold subiu 16,6% em maio, face a abril, para 96 milhões de euros. Oss dados estatísticos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras apontam para 157 Autorizações de Residência para a atividade de Investimento (ARI) nesse mês.

Do total, 149 foram concedidas por via de aquisição de bens imóveis e oito por transferência de capital, o que compara com os 130 vistos gold concedidos durante abril.

Até à data, ainda não foram atribuídos vistos mediante as novas regras, que entraram em vigor em setembro do ano passado, mas já há pedidos.

Fonte oficial do SEF disse à Lusa que, até maio, "havendo registo de alguns pedidos, não houve ainda concessão de ARI por novos requisitos de investimento".

Do total de investimento arrecadado em maio (96.113.794,23 euros), que representa um crescimento superior a 13 milhões de euros face a abril, a maior fatia continua a ser proveniente da compra de bens imóveis, que no mês passado ascendeu a 87.833.201 euros (contra 73,2 milhões de euros no mês anterior), enquanto a transferência de capitais totalizou 8.280.593,23 euros.

O balanço desde 2012

Em termos acumulados - desde que os vistos começaram a ser atribuídos, a 8 de outubro de 2012, até maio último -, o investimento total captado com as ARI atingiu os 2,1 mil milhões de euros, mais precisamente 2.103.798.122,56 euros.

Deste montante, o investimento acumulado oriundo de aquisição de imóveis ascendeu a 1.899.390.606,67 euros e a transferência de capitais somou 204.407.515,89 euros.

Desde que os vistos 'gold' entraram em vigor foram atribuídos 3.452 ARI: dois em 2012; 494 em 2013; 1.526 em 2014; 766 em 2015 e 664 até maio.

Desde a sua criação até final de maio, foram concedidos 3.261 vistos pelo requisito da aquisição de bens imóveis, 186 por transferência de capital, e cinco pela criação de, pelo menos, 10 postos de trabalho.

A China lidera a lista de ARI atribuídas (2.651 até maio), seguida do Brasil (165), Rússia (115), África do Sul (96) e Líbano (54).

As novas regras para a obtenção de vistos 'gold', que alargam os critérios de investimento para cidadãos fora da União Europeia a áreas como reabilitação urbana e ciência, entre outros, entraram em vigor a 03 de setembro de 2015.

No ano passado, o investimento resultante dos vistos 'gold' caiu para metade, face a 2014, para cerca de 466 milhões de euros.