A Parque Expo, empresa pública criada para gerir a Expo'98 e atualmente em liquidação, informou esta quarta-feira que amortizou antecipadamente o empréstimo obrigacionista total ao Estado, com o pagamento de 9,8 milhões de euros.

Em comunicado, a empresa adiantou que a operação foi realizada hoje e resulta da "boa execução financeira do processo de liquidação, cujas receitas previstas de alienação de património imobiliário para 2015 foram superadas em 22 milhões" de euros.

A operação, lê-se, permite "desonerar o Estado português, por via da libertação antecipada do aval prestado no montante aproximado de 10 milhões euros".

Desta forma, de acordo com a empresa, fica cancelado o registo das referidas obrigações junto da Central de Valores Mobiliários.

A 23 de fevereiro, os acionistas da sociedade Parque Expo aprovaram o plano de liquidação da empresa e a aplicação de resultados.

O balanço à data da dissolução (30 de setembro de 2014) indicou um ativo no valor de 131,4 milhões de euros, com destaque para o Oceanário de Lisboa, o Pavilhão de Portugal, créditos a receber da Câmara Municipal de Lisboa e lotes de terreno à venda.

O passivo atingiu o montante de 232,3 milhões de euros, sendo o capital próprio negativo de 100,9 milhões de euros.

Em outubro de 2014, os acionistas decidiram que o processo de dissolução da empresa - criada em 1993 para conceber a Expo'98 e a reconversão urbanística do agora denominado Parque das Nações - deveria ocorrer, no máximo, em dois anos.

Nessa altura, os acionistas designaram a comissão liquidatária, que lhes deveria submeter "uma proposta de plano de liquidação no prazo de um mês", com John Michael Crachá do Souto Antunes como presidente e João Manuel Pereira Afonso como vogal.

A extinção da Parque Expo foi anunciada em 2011 pela então ministra do Ambiente, Assunção Cristas, tendo a governante afirmado que aquela sociedade "cumpriu a sua função e que [restava] a extinção", já que a gestão urbana da zona tinha passado para a Câmara de Lisboa e o Pavilhão Atlântico foi vendido a privados.