A produção de petróleo da Galp cresceu 29,2% no terceiro trimestre face ao mesmo período de 2016. Esta evolução é principalmente baseada no aumento de 35,2% nas unidades no Brasil, segundo a nota enviada pela empresa à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM). As ações da petrolífera abriram a avançar 0,2% para 15,46 euros cada uma.

Ao contrário do comportamento registado nas unidades brasileiras, a atividade da empresa portuguesa em Angola registou uma quebra de 23,2% na comparação entre o segundo trimestre deste ano e o mesmo período do ano passado.

"A produção net entitlement aumenta 29,2% face ao trimestre homólogo”. A produção net entitlement é a mais relevante para as contas da empresa, uma vez que tem impacto integral nos resultados da Galp, após o pagamento de imposto em espécie nos países onde as concessões se localizam, e totalizou 92,4 mil barris por dia no terceiro trimestre.

Este resultado deve-se ao aumento da produção no Brasil, destacando-se o maior contributo da sexta unidade de produção flutuante (FPSO) do projeto Lula-Iracema, Cidade de Saquarema, que entrou em produção em julho de 2016 e se encontra atualmente a produzir à sua capacidade máxima.

Na comparação com o segundo trimestre, a produção net entitlement aumentou 4,9%, com as unidades do Brasil a apresentarem uma subida de 6,0% e as angolanas uma descida de 9,8%.

Já a produção total (working interest) antes do pagamento de imposto em espécie nos países onde as concessões se localizam aumenta 27,7% em termos homólogos e fixa-se nos 94,6 mil barris/dia, dos quais 82,8 mil barris corresponderam a produção de petróleo (e o restante a gás natural).

Segundo a informação da empresa, as matérias-primas processadas aumentaram 0,9% face ao período homólogo, enquanto as vendas de produtos refinados recuperaram 5,1% e as vendas a clientes diretos aumentam 5,2%, suportadas sobretudo na maior atividade económica registada na Península Ibérica.

As vendas de gás natural diminuíram 1,9% face ao período homólogo devido à quebra das vendas nos mercados internacionais.

As margens de refinação de referência (benchmark) na Europa foram de 5,5 dólares por barril no terceiro trimestre, uma melhoria de 3,2 dólares por barril em relação ao trimestre homólogo.

Estas margens são as margens de referência e não as margens efetivas das refinarias da Galp, que serão divulgadas na apresentação de resultados a 30 de outubro.

O preço médio do brent neste período aumentou 13,6% em termos homólogos, fixando-se nos 52,1 USD/bbl, que compara com 45,9 USD/bbl no trimestre homólogo.