A Comissão Europeia propõe que a ajuda de emergência à Grécia, o chamado financiamento-ponte – de sete mil milhões de euros - seja feito através do fundo no qual participam todos os 28 Estados-membros da União Europeia, o Mecanismo Europeu de Estabililização Financeira (MEEF).

Este empréstimo teria a maturidade de três meses e seria disponibilizado de uma vez só.

 

E qual é o objetivo desta decisão? Jean-Claude Juncker quer garantir que a Grécia vai reembolsar os credores: o BCE a 20 de julho em 3,5 mil milhões de euros e o FMI, em relação aos pagamentos que ficaram em atraso e que já contabilizam os dois mil milhões de euros.

Este financiamento-ponte torna-se imperioso, uma vez que o terceiro resgate internacional só deverá estar operacional dentro de, sensivelmente, quatro semanas.

 

Em conferência de imprensa, Valdis Dombrovskis disse que o executivo comunitário está consciente das reservas levantadas por vários países de fora da zona euro a esta solução, mas indicou que, entre “as poucas opções disponíveis”, o recurso ao Mecanismo Europeu de Estabilização Financeira é “a mais realista”.

“Como sabem, a economia grega está de novo em recessão, o sistema bancário está à beira do colapso e o Estado grego tem pagamentos em atraso”.

   

Endividamento de Atenas


O endividamento grego vai na direção da necessidade de um "alívio muito substancial" da dívida do país, aponta a Comissão Europeia num relatório datado do dia 10 de julho.

Bruxelas diz que a sustentabilidade da dívida grega é “preocupante”, principalmente depois de a economia ter registado uma “deterioração grave”.

“Estas preocupações devem ser respondidas com um programa de reformas credível, sentido de responsabilidade e propriedade por parte do governo grego em relação a este programa”.
 


Economia afunda entre 2% e 4% este ano


A Comissão Europeia espera que a economia da Grécia caia entre 2% e 4% este ano, agravando a queda do PIB face aos 0,5% que eram previstos em maio, aquando da divulgação das previsões da primavera.

O agravar das previsões de Bruxelas para a economia grega consta de um relatório da Direção-Geral de Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, com data de 10 de julho, elaborado após o Governo liderado por Alexis Tsipras ter pedido oficialmente um novo programa de resgate a três anos.

A confirmar-se, isto significa o regresso da Grécia à recessão depois de em 2014 a economia ter avançado uns ligeiros 0,8% em 2014.