O FMI saudou esta sexta-feira a “forte” recuperação da economia espanhola, “muito acima da média europeia”, mas recomendou aprofundar a reforma laboral e a consolidação fiscal para elevar o crescimento e reduzir o desemprego estrutural de 16%.

Apesar da “grande mudança” na confiança e retoma da procura interna registada em Espanha nos últimos meses, com uma expansão estimada de 3,1% este ano e de 2,5% no próximo, o Fundo Monetário Internacional (FMI) advertiu que a tendência é voltar a um crescimento potencial “muito baixo” de cerca de 1,5%.

Além disso, o relatório completo da revisão anual da economia anual do FMI, divulgado esta sexta-feira, indicou que “na ausência de reformas mais profundas” no mercado laboral, numa altura em que é estimada uma taxa de desemprego de 22% para este ano, o nível estrutural deste indicador vai manter-se nos 16%.