A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) anunciou que vai pedir ao Governo que seja criada uma linha de crédito para empresas da zona costeira que tenham sido afetadas pelos recentes temporais.

Em comunicado, a AHRESP revelou que está em curso um inquérito nos 57 municípios da zona marítima nacional «para uma avaliação real e concreta da dimensão dos danos causados», avançando que os resultados preliminares «apontam já para a situação de catástrofe, com estabelecimentos totalmente destruídos, e prejuízos muito avultados, muitos deles não cobertos por seguros».

«Profundamente preocupada com a já grave situação financeira das empresas, a AHRESP, após ter conhecimento dos efeitos que as recentes intempéries provocaram nos estabelecimentos do setor ao longo de toda a zona marítima de Portugal, irá, junto do Governo, promover a criação de uma linha de crédito para apoiar as empresas que tenham sofrido danos gravosos», referiu a associação.

A AHRESP lembrou que o setor tem atravessado uma «tempestade perfeita» devido à conjuntura económica, com particular agravamento em 2012 através do aumento do IVA, e lamentou que desta vez tenha sido a própria natureza que «ajudou à festa».

«A situação de crise que o setor está a atravessar, em particular os estabelecimentos junto a zonas balneares, os mais afetados pela sazonalidade, encontram-se sem apoio para fazer face aos estragos agora causados, podendo colocar em risco a reabertura de centenas de estabelecimentos, vitais para a nossa oferta turística, e para o apoio às nossas praias, quer como serviço público de primeiros socorros e instalações sanitárias, quer como estabelecimentos de restauração e bebidas», acrescentou o comunicado.