“Até a situação ser mais clara, no Brasil vamos limitar-nos a trabalhar no nosso ‘portfolio’ e não estamos a tomar decisões de investimento”, afirmou Fernando Guedes de Oliveira.


“A África e a América Latina serão as nossas apostas no futuro.”