A companhia aérea Air Berlin foi obrigada a suspender, esta quarta-feira, pelo menos 30 voos devido a uma revolta dos pilotos contra a direção da empresa que, na véspera, levou a mais de 120 cancelamentos.

O número de voos cancelados foi divulgado pela empresa, que indicou que tal deve-se ao número “extraordinariamente elevado” de pilotos que declararam estar doentes e não se apresentaram ao trabalho.

Em agosto, a companhia aérea alemã anunciou a abertura de um processo de insolvência depois da decisão do seu acionista maioritário Etihad Airways de não continuar a prestar apoio financeiro. Na ocasião, a Lufthansa indicou estar em negociações para o resgate das atividades da empresa em dificuldades, que permitirá contratar pessoal.

Esta quarta-feira, segundo um documento interno da transportadora, divulgado pelos 'media', encontram-se de baixa médica 149 pilotos, depois dos quase 200 que na terça-feira não foram trabalhar pelo mesmo motivo.

Devido à imprevisibilidade desta ação de protesto dos pilotos, a companhia não afastou a possibilidade de ao longo dia vir a cancelar mais ligações aéreas.

A ação é ilegal, dado que não foi convocada por qualquer sindicato e foi inclusivamente alvo de críticas por parte de representantes do setor laboral, como a associação profissional Cockpit.

O ministro dos Transportes alemão, Alexander Dobrindt, instou os trabalhadores a "manter, da melhor forma possível, [a Air Berlin] em funcionamento", em declarações ao diário Bild, enquanto a titular da pasta da Economia, Brigitte Zypries, pediu a todas as partes para "moderarem os nervos".

A empresa elevou já a cinco milhões de euros o custo do protesto que, segundo a direção, representa uma "ameaça existencial" para a companhia aérea.

A ação dos pilotos começou pouco depois de a direção da Air Berlin ter suspendido, na segunda-feira, as negociações com um potencial novo comprador da transportadora para a absorção de mais de 1.200 pilotos da companhia insolvente.

A oferta mais recente é do empresário Hans Rudolf Wöhrl que, no domingo, afirmou estar disposto a adquirir a Air Berlin por até 500 milhões de euros, oferta que, segundo sublinhou, já tinha sido comunicada à empresa insolvente.

Em comunicado, o empresário precisou que as empresas Lufthansa, Condor, Tui, Germania e Niki Lauda tinham sido informadas que podem participar na oferta e que, se não estiverem interessadas, estará disposto a assumir sozinho, com o apoio de investidores, o saneamento da companhia insolvente.