Os combustíveis representaram 20% ou um quinto da receita do Estado com Impostos sobre Produtos em 2014, segundo o estudo Contributo da indústria petrolífera para a economia portuguesa, elaborado pela AUDAX-ISCTE.

Em montantes, estamos a falar de um total de 4.100 milhões de euros, valor que subirá devido ao aumento de ISP no início de 2016.

Este setor representou, em 2014, 20% do total da receita do Estado nos Impostos sobre Produtos e não estando aqui refletido o aumento de ISP [imposto sobre produtos petrolíferos] que ocorreu em 2016, podemos estimar que este peso irá aumentar num futuro próximo"

O estudo realça que "não há outro setor que represente tanto", cita a Lusa.

Na segunda revisão trimestral do ISP, feita em agosto, o Governo decidiu manter o imposto como está, justificando que o aumento dos preços dos combustíveis entre maio e junho não foi suficiente para o baixar.

A tutela tinha prometido rever trimestralmente o valor do ISP depois de, em fevereiro, este imposto ter agravado o preço dos combustíveis.

Ainda a este propósito, o Parlamento aprovou um regime de reembolso de impostos sobre combustíveis para as empresas de transportes de mercadorias.