O grupo Airbus vai fazer um corte drástico na produção do superjumbo A380. De acordo com a Bloomberg, a empresa justifica a decisão com a quebra na procura, que ficou muito acima das previsões iniciais.

A quebra na construção será para mais de metade, levando à produção de apenas um destes gigantes por mês em 2018.

O corte no superjumbo, com capacidade para transportar acima de 500 passageiros e dois pisos, contrasta com o sucesso da restante linha. Poucas horas depois deste anúncio a empresa já surpreendia com um novo amortecedor que levou a várias ordens de compra do popular A320 no salão Farnborough Air Show no Reino Unido.

O A380 enfrenta agora uma morte quase inevitável apenas pouco mais de uma década depois de entrar em operação comercial. A verdade é que a aeronave nunca chegou a atingir as metas a que se propôs a empresa que já tinha desistido de recuperar os cerca de 25 mil milhões de euros de custos de desenvolvimento do avião.

Os últimos anos foram, de resto, os piores em termos de procura com a introdução no mercado de aeronaves mais ágil. Uma quebra que deixou o A380 quase como exclusivo da companhia Emirates. Atualmente existem 193 destes aviões ao serviço de companhias aéreas em todo o mundo.