O banco holandês ABN Amro anunciou hoje que vai despedir 1.375 trabalhadores até 2020, para concretizar o plano de cortes na despesa que ronda os 200 milhões de euros.

Num comunicado interno enviado aos colaboradores, e citado pela Bloomberg, a instituição financeira explica que vai eliminar entre 625 a 925 postos de trabalho efetivos durante o ano de 2017, enquanto o total de despedimentos poderá atingir os 1.375 em 2020, embora o banco indique que o número final possa ficar pelos 975. A concretizar-se, o total representa 6% dos 21.939 colaboradores da instituição.

O ABN Amro diz que o plano de cortes de custos envolverá trabalhadores que pediram a reforma, saídas amigáveis, mas também a supressão de postos de trabalho, tanto na Holanda como no estrangeiro.

O aumento da concorrência, as pressões regulatórias e as baixas taxas de juros estão a pressionar os lucros do banco, que, mesmo assim, subiram 10% para 662 milhões de euros no segundo trimestre face ao ano anterior.