O Índice de Custo do Trabalho, que mede o custo de trabalho, registou um acréscimo homólogo de 2,5%, no segundo trimestre de 2016. No trimestre anterior tinha sido observada uma subida homóloga de 0,7%, divulgou o Instituto Nacional de Estatística.

As duas principais componentes dos custos do trabalho são os custos salariais e os outros custos (por hora efetivamente trabalhada). Os custos salariais aumentaram 2,7%, em relação ao mesmo período do ano anterior, e os outros custos aumentaram 1,7%.

Para esta evolução também “o efeito conjugado do acréscimo de 2% dos custos médios por trabalhador/a e do decréscimo de 0,5% do número de horas efetivamente trabalhadas por trabalhador/a”, acrescenta ainda o INE.