A francesa Renault anunciou esta quinta-feira que vai criar 1.000 postos de trabalho permanentes em França, após um forte crescimento dos lucros no ano passado.

Em comunicado, a Renault revelou um lucro líquido de 1.890 milhões de euros em 2014, quando em 2013 apresentou 586 milhões de euros.

No entanto, as vendas globais do grupo subiram apenas marginalmente, cerca de 0,3%, para 41.050 milhões de euros, justificada pela empresa por «movimentos das taxas de câmbio desfavoráveis».

Os investidores premiaram os resultados do grupo automóvel francês, com as ações da Renault na Bolsa de Paris a subirem 7%.

«Atingimos todos os objetivos anunciados para 2014», afirmou o presidente executivo do grupo francês, Carlos Ghosn, acrescentando que este ano a Renault «deverá dar um novo passo em frente, graças a uma ofensiva de produto sem precedentes na história do grupo».


Para 2015, a Renault prevê que a procura global de carros irá aumentar 2%, apesar das debilidades persistentes na economia mundial.

«O mercado europeu deve mostrar também um ligeiro crescimento, até 2%, enquanto esperamos uma elevada volatilidade nos principais mercados emergentes onde estamos presentes», refere o comunicado.


Carlos Ghosn refere que o aumento de 1.000 empregos é «uma boa notícia para a Renault e uma boa notícia para França», acrescentando que «os esforços da empresa e a aposta na competitividade está a dar os seus frutos».