O índice de volume de negócios na indústria aumentou 12,7% em abril, em termos homólogos, impulsionado pelos mercados interno e externo e influenciado pelos mais dois dias úteis do mês em análise, divulgou hoje o INE.

Em março o volume de negócios na indústria tinha recuado 0,3%.

Ressalvando que a evolução do índice em abril “foi influenciada pela diferença no número de dias úteis, tendo abril de 2018 mais dois dias que o homólogo”, o Instituto Nacional de Estatística (INE) reporta que o índice relativo ao mercado nacional aumentou 11,8% (1,3% em março), enquanto o do mercado externo cresceu 13,9% (variação de -2,6% no mês precedente).

Já os índices de emprego, de remunerações e de horas trabalhadas, apresentaram variações homólogas de 3,5%, 6,8% e 4,4% em abril (3,3%, 5,5% e 1,2% no mês anterior, pela mesma ordem).

Em termos mensais, o índice de volume de negócios na indústria registou uma variação de -5,2% em abril (-16,1% em igual mês de 2017), com o índice relativo ao mercado nacional a fixar-se em -5,6% (-14,4% em abril de 2017) e o referente ao mercado externo a diminuir 4,7% (-18,5% em igual mês de 2017).

O emprego e as remunerações registaram crescimentos mensais de 0,4% e 2,8% (0,2% e 1,5% em abril de 2017, pela mesma ordem), sendo que a variação mensal do índice de horas trabalhadas situou-se em -4,9% em abril (-7,8% em igual período de 2017).

Segundo o INE, o índice do agrupamento de bens de investimento cresceu 30,4% homólogos em abril (12,5% em março) e originou “o contributo mais expressivo” para a variação do índice total (4,4 pontos percentuais).

Já os agrupamentos de bens de consumo e de bens intermédios passaram de reduções de 4,0% e 6,0% para aumentos de 7,8% e 8,0%, respetivamente, tendo contribuído em conjunto com 4,9 pontos percentuais para a variação do índice total, enquanto o agrupamento de energia cresceu 14,2% (5,0% em março).

Produção na construção acelera para variação homóloga de 2,7% 

A variação homóloga do índice de produção na construção acelerou para 2,7% em abril, com o emprego a crescer 2,3% e as remunerações a progredirem 4,8%, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em março o índice de produção na Construção tinha registado uma taxa de variação homóloga de 2,4%, enquanto os índices de emprego e de remunerações tinham crescido 1,7% e 2,3%, respetivamente.

Segundo o INE, em abril os dois segmentos que integram o índice de produção na construção tiveram “comportamentos distintos, embora ambos positivos”: O segmento da construção de edifícios acelerou 0,9 pontos percentuais, para uma variação homóloga de 2,9% (contributo de 1,7 p.p. para o índice agregado), e o de engenharia civil abrandou 0,4 pontos percentuais, para uma taxa de variação homóloga de 2,5% e um contributo de 1,0 p.p. para o índice total.

Em abril, o índice de emprego no setor da construção assinalou uma variação homóloga de 2,3% (variação de 1,7% em março) e uma variação mensal de 0,1% (-0,5% em abril de 2017).

Já o índice das remunerações efetivamente pagas registou uma taxa de variação homóloga de 4,8% (2,3% em março) e, face ao mês anterior, desceu 0,4% (-2,7% no mesmo período de ano anterior).