O Fundo Monetário Internacional (FMI) congratulou-se esta terça-feira com os progressos realizados pela Argentina para melhorar as suas estatísticas económicas, mas deu ao país até ao fim de março para apresentar «novas previsões do PIB e nova taxa de inflação».

Buenos Aires é acusada de subestimar a sua inflação anual, avaliada no fim de outubro em 10,3 % pelo governo e em 26 % pelos institutos privados.

«Embora observando que a Argentina não tomou as medidas exigidas pelo Fundo para abordar as imprecisões no cálculo da inflação e nos dados do PIB [Produto Interno Bruto], a direção executiva reconheceu o trabalho que está a ser feito e a intenção de oferecer um novo sistema de medição dos preços no início de 2014», refere o FMI em comunicado de imprensa.

O principal órgão executivo da instituição dirigida por Christine Lagarde decidiu oferecer um «calendário específico» para a apresentação das novas medidas.

De acordo com a decisão, solicita-se à Argentina «a implementação de um conjunto inicial de ações específicas, incluindo a publicação de um novo índice de preços nacional e a revisão das previsões do PIB, no final de março de 2014», sublinhou o FMI.

Além disso, «mais ações devem ser implementadas entre o final de setembro de 2014 e fevereiro de 2015», acrescentou o FMI, sem especificar.