A Venezuela entrou em default (incumprimento) esta sexta-feira. Isto por ter falhado o pagamento dos juros de um título de 650 milhões de dólares (560 milhões de euros) da empresa elétrica estatal Corpoelec.

A falta de pagamento, segundo a imprensa venezuelana, foi avançada pela empresa Wilmington Trust, o fiduciário do título, num comunicado enviado hoje à Bolsa do Luxemburgo.

Segundo o portal da Internet La Patilla, os detentores viam os títulos, que vencem em 2018, como os de maior risco e por isso caíram recentemente para um mínimo histórico de 0,23 dólares (0,19 euros).

Esta notícia sirge no meio do turbilhão económico, político e social que o país está a viver.  No passado dia 26 de setembro a oposição deu por terminado um processo de diálogo iniciado a 13 de setembro, na República Dominicana, por considerar que não estavam reunidas as condições para continuar a dialogar.

Segundo a oposição havia “pré-requisitos” que o regime do Presidente Nicolás Maduro deveria cumprir, em questões de “direitos humanos” e no campo eleitoral que não estavam a ser respeitados.

Entretanto, hoje, foi notícia que representantes do Governo do Presidente da Venezuela e da aliança opositora Mesa de Unidade Democrática (MUD), vão iniciar, na próxima quarta-feira, um novo ciclo de diálogo, com uma reunião na República Dominicana.