O crescimento mundial não deverá recuperar de forma significativa nos próximos dois anos, com uma desaceleração da economia chinesa e impedimentos estruturais na zona euro, segundo as previsões da Moody's.

Para as economias do G20, a agência de rating prevê um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de cerca de 3% em 2015 e 2016, depois de 2,8% em 2014.

«A maioria dos fatores que pesaram no PIB global em 2014 vão continuar nos próximos dois anos, incluindo um abrandamento gradual na China», afirma Marie Diron, autora do relatório da Moody's, citada pela Lusa, considerando que este último fator tem levado a uma diminuição das importações que se reflete nas exportações a nível global.

«Os problemas estruturais em vários países e regiões, incluindo a zona euro, Brasil e África do Sul, também impedem uma recuperação significativa do crescimento», acrescenta Diron.

Na zona euro, o desemprego elevado e os progressos limitados em matéria de reformas em vários países contribuem para o fraco crescimento.

As previsões da Moody's apontam para um crescimento do PIB na zona euro de 0,9% e 1,3% em 2015 e 2016, respetivamente, depois de 0,7% em 2014.

Por outro lado, a Moody's espera um crescimento robusto nos Estados Unidos, Reino Unido e Índia nos próximos dois anos.

A economia norte-americana deverá crescer 3% em 2015 e 2,8% em 2016, depois de um crescimento de 2,2% em 2014.

Para o Reino Unido, a agência prevê um crescimento de cerca de 2,5% nos próximos dois anos, com um aumento do investimento não-residente e uma queda da taxa de desemprego.

Na Índia, o crescimento do PIB poderá atingir 6% em 2016.