A agência de notação financeira Standard & Poor's (S&P) reviu hoje em baixa o rating de Itália em um nível, de «BBB+» para «BBB», mantendo a perspetiva ( outlook) negativa devido ao crescimento económico «anémico».

Em comunicado hoje divulgado, a agência de notação financeira justifica esta revisão com o fraco crescimento da economia italiana e alerta que poderá efetuar novos cortes.

As previsões para a evolução da economia italiana são agora «mais sombrias», o que leva a S&P a prever uma contração do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,9% este ano, valor que compara com a estimativa de 1,4%, em março deste ano.

«A nossa previsão é de uma maior deterioração das perspetivas económicas de Itália depois de uma década de crescimento real médio de -0,04%», salienta a agência, recordando vários indicadores económicos que apontam para a fragilidade da economia.

A S&P atribuiu «o fraco crescimento económico à rigidez do mercado de trabalho em Itália» e destaca que «os custos do trabalho aumentaram mais [em Itália] do que em qualquer outro país da zona euro», o que prejudica a recuperação económica.

A agência de notação adverte ainda que poderá voltar a cortar o rating do país ainda este ano se «o Governo não conseguir implementar as políticas que impeçam os indicadores orçamentais de se deteriorarem além das expetativas atuais».

O rating poderá ainda ser revisto se Itália mantiver a «rigidez observada no mercado de trabalho e nos serviços», assinala ainda agência de notação.

Ao contrário, se o Governo conseguir introduzir as reformas necessárias para tornar a economia mais flexível, a S&P admite colocar o rating de Itália em «estável».