O Fundo Monetário Internacional ameaça suspender os empréstimos à Guiné-Bissau, se as medidas acordadas no âmbito do programa de ajuda não forem aplicadas, nomeadamente no setor bancário e no Orçamento.

"Se o programa continuar fora dos objetivos, o FMI não vai desembolsar as restantes tranches previstas no acordo de Facilidade de Crédito Permanente aprovado pela administração a 10 de julho de 2015"

A declaração foi feita por um porta-voz da instituição à Lusa, precisando que o valor em causa ascende, este ano, a 6,1 mil milhões de francos, o equivalente a quase 10 milhões de euros.

Os resgates a dois bancos privados no ano passado implicaram "uma enorme despesa em termos de crédito para o Governo", à volta de 34 mil milhões de francos, pouco mais de 5 milhões de euros, o "indicador chave do desempenho do programa de ajuda".