Um total de 36 municípios portugueses apresentam um poder de compra per capita acima da média nacional, situando-se os valores mais elevados nas áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, revela o Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com dados hoje revelados pelo INE, relativos a 2011, Lisboa apresenta o valor mais elevado de todos os 308 municípios nacionais (216,8), mais do dobro do índice nacional (100).

No top três dos municípios com mais poder de compra ¿per capita' seguem-se Oeiras (193,7) e o Porto (161,7).

Segundo o INE, 13 dos 18 municípios que constituem a Área Metropolitana de Lisboa estão acima da média nacional, enquanto na Área Metropolitana do Porto apenas quatro dos 17 que a compõem suplantam a média.

O estudo do INE aponta uma relação entre o grau de urbanização dos municípios e o poder de compra aí manifestado no quotidiano, destacando, além de concelhos das áreas metropolitanas como Cascais (132,0), São João da Madeira (129,9) Matosinhos (124,4), Alcochete (123,5) e Maia (112,3) as capitais de distrito de Faro (133,1), Coimbra (131,7), Aveiro (126,7) e Évora (112,5).

Fora destas áreas destaque para Sines, no Alentejo Litoral - com um índice ¿per capita' de 137,0, que lhe dá o quarto lugar a nível nacional - Azambuja (114,8) e o Funchal (Madeira), com 113,4.

No campo oposto, o INE assinala que no conjunto dos 308 municípios nacionais, mais de metade (172) apresentam índices de poder de compra per capita inferiores a 75 pontos.

De acordo com o documento, os dez municípios com menor poder de compra per capita situam-se no interior norte do país e na Região Autónoma da Madeira.

Celorico de Basto (49,83) é o município nacional com menor poder de compra, seguido de Cinfães (49,87), Ribeira de Pena (50,8) - todos situados na região do Tâmega - e Tabuaço, no Douro, com 50,9.