O emprego na restauração e similares aumentou, depois de o IVA ter descido de 23% para 13%. Essa descida aconteceu a 1 de julho de 2016, sendo que o relatório semestral sobre o acompanhamento do impacto da alteração da taxa do IVA referente ao primeiro semestre de 2017 (janeiro a junho) aponta para um aumento do emprego em 9,4%. Estão em causa mais 19.573 trabalhadores, num setor que emprega, no total, 227.900.

Produzido pelo grupo de trabalho com membros do Governo e da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), este relatório refere que o crescimento homólogo do emprego com remunerações declaradas à Segurança Social no setor de Restauração e Similares foi de 8,7% (16.653), mais do dobro do crescimento global na economia (4%).

Verificou-se um cenário idêntico relativamente às remunerações, que cresceram 4% no setor, enquanto o crescimento no total da economia foi de 1,7%, sendo que no setor de Restauração e Similares as remunerações eram, ainda, inferiores em 31% à média nacional”.

As contribuições para a Segurança Social originárias do setor cresceram, no período em análise, 13% (quando o crescimento global das contribuições foi de 6%). São mais 28,5 milhões de euros.

Ao mesmo tempo, o volume de desempregados subsidiados baixou 9,8%. Isso significou uma redução de 10,2% do montante das prestações de desemprego para trabalhadores deste setor (menos 4 milhões de euros).

A receita do IVA baixou 47,9% face a igual período de 2016, o que corresponde a uma potencial perda de receita de cerca de 159,3 milhões de euros. No entanto, a receita global de IVA teve um crescimento homólogo de 6%, o que representou um acréscimo de 87,6 milhões de euros.

O relatório é o segundo da série de três relatórios semestrais previstos. O próximo incluirá os dados relativos ao segundo semestre de 2017 (julho a dezembro). Será conhecido em "meados de 2018".