O Comité Assessor Técnico dos Índices IBEX, tabela bolsista espanhola, decidiu excluir a partir de quinta-feira o Banco Popular da cotação, depois da notícia da resolução daquela entidade bancária.

A cotação das ações do Banco Popular foi suspensa esta quarta-feira de manhã pela Comisión Nacional del Mercado de Valores (CNMV), o regulador espanhol, pouco antes de o Banco Santander ter anunciado, em Madrid, a aquisição de 100% do Banco Popular por um euro, após o Banco Central Europeu ter constatado a inviabilidade da instituição de forma independente e a fim de garantir a segurança dos seus depositantes.

Em comunicados separados, o Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB) e o próprio Santander indicam que a compra ocorre depois de um processo competitivo de venda organizado “no âmbito de uma medida de resolução”, adotado pelo Conselho Único de Resolução europeu e executado pelo FROB.

Assim, o capital social do banco foi reduzido a zero, o que levou à amortização ou extinção de todas as ações do Popular admitidas à negociação em bolsa.

Como parte da operação, o Santander tem previsto realizar um aumento de capital de aproximadamente 7.000 milhões de euros, “que cobrirá o capital e as provisões necessárias para reforçar o balanço do Banco Popular”, segundo um comunicado enviado à comissão do mercado de valores espanhola, a CNMV.

Entretanto, o Banco de Portugal já assegurou que a filial portuguesa do Banco Popular espanhol continua a operar “com total normalidade” e “protege as poupanças confiadas“, passando a integrar o Grupo Santander.

A venda do Banco Popular Espanhol ao Banco Santander “não implica qualquer alteração na atividade do banco português, que continua a operar com total normalidade, agora integrado num novo grupo bancário”, informou o Banco de Portugal em comunicado.

Também hoje, e já depois do fecho do mercado, o Banco Popular Portugal comunicou à CMVM portuguesa que, em comunicado datado de 06 de junho de 2017 e na sequência da revisão em baixa dos 'ratings' [avaliações] do Banco Popular Español, a agência de notação financeira DBRS "reviu em baixa o 'rating' de longo prazo (Senior Unsecured Long-Term Debt & Deposit rating) de 'BB' para 'B', com 'perspetiva negativa', e o 'rating' de curto prazo (Short-Term Debt & Deposit rating) de 'R-4' com 'perspectiva negativa'”.