O novo Governo está a aprofundar o estudo do projeto do aeroporto do Montijo complementar ao de Lisboa, solução do anterior executivo para responder ao estrangulamento do aeroporto da Portela, disse esta quinta-feira o ministro Planeamento e das Infraestruturas.

Em declarações aos jornalistas, à margem do anúncio do número de passageiros do aeroporto de Lisboa em 2015, Pedro Marques adiantou que “está a ser feito neste momento o estudo das soluções que tinham sido apontadas e em particular de uma solução”, referindo-se ao projeto do aeroporto do Montijo, a criar na Base Aérea n.º 6 e complementar ao da Portela (Lisboa).

“Mais cedo do que mais tarde temos que fazer o trabalho de encontrar uma solução”, declarou o governante, referindo-se ao aumento do número de passageiros acima do previsto.

O Aeroporto de Lisboa ultrapassou a barreira dos 20 milhões de passageiros em 2015, uma subida de 10,7% face ao ano anterior e o Aeroporto do Porto atingiu 8,1 milhões de passageiros, um crescimento de 16,7% face a 2014.

Questionado pelos jornalistas sobre o processo negocial para o Estado voltar a ser acionista maioritário da TAP, que anunciou assim que assumiu funções, o ministro limitou-se a dizer que o Governo continua a desenvolver o processo negocial com os donos da empresa, os empresários David Neeleman e Humberto Pedrosa, que integram o consórcio Gateway, que adquiriu 61% do capital do grupo.

“Não falarei do processo negocial enquanto estiver em curso”, declarou.