A Autoeuropa admite avançar com um horário de trabalho de laboração contínua que lhe permita dar resposta ao volume de produção para satisfazer as encomendas do novo veículo T-Roc para 2018. Foi distribuído, na terça-feira, um comunicado aos trabalhadores a dar conta disso mesmo.

É indiscutível a necessidade de ter no início do novo ano um modelo de trabalho que responda às encomendas dos clientes para a primeira metade de 2018, sob risco de entrarmos em incumprimento com o programa de produção. Todos os colegas envolvidos no processo têm também de ser informados atempadamente"

A fábrica de Palmela prevê um volume de produção do T-Roc que deverá atingir as 240 mil unidades no próximo ano. A empresa vai contratar mais 400 pessoas precisamente para continuar a produzir o novo modelo.

Este comunicado surge na sequência do chumbo de dois pré-acordos negociados previamente com os representantes dos trabalhadores, precisamente relativos a horários.

"Será tomada uma decisão que cumpra com a lei, mantenha o emprego, assegure o crescimento da fábrica e o programa de produção. Em paralelo, a empresa vai manter abertos os canais de comunicação com as partes envolvidas", reforça o documento.

A administração da Autoeuropa lembra que "desde 2015, em que a laboração contínua foi considerada no acordo laboral, que se tem procurado construir um modelo de trabalho que seja o mais conveniente possível para todas as partes envolvidas", com "uma compensação adicional à prevista na lei" e a implementação de um terceiro turno com um esquema de rotação a pedido dos colaboradores e a atribuição de "25% de subsídio de turno”.

Recorda também que "manteve os postos de trabalho, mesmo com a redução do volume de produção", que, nesse período, colocou cerca de 400 trabalhadores noutras fábricas do grupo alemão da Volkswagen e que esta semana dará por concluída a quarta fase do processo de recrutamento de dois mil novos trabalhadores.

Contactada pela agência Lusa, fonte oficial da Autoeuropa escusou-se a fazer qualquer comentário sobre a eventual decisão de implementar novos horários de trabalho, referindo apenas que "continua a avaliar a situação decorrente da rejeição de dois pré-acordos por parte dos trabalhadores".

O último pré-acordo, negociado entre a Comissão de Trabalhadores e a administração da fábrica de Palmela, que previa a laboração contínua em 17 turnos de trabalho, com rotação semanal, foi rejeitado por 63% dos trabalhadores, no referendo realizado no passado dia 29 de novembro.

No passado mês de julho, 74% dos trabalhadores da Autoeuropa também rejeitaram um primeiro pré-acordo sobre os novos horários e fizeram um dia de greve (30 de agosto), a primeira por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela.